Perfeccionismo: o que é? como se libertar dele?

by | Atualizado em 13 de Junho de 2022

  1. Início
  2.  » 
  3. Viagens Interiores
  4.  » 
  5. Nós e os Outros
  6.  » Perfeccionismo: o que é? como se libertar dele?

O conceito de perfeccionismo está associado à necessidade que uma pessoa pode ter de estabelecer padrões muito elevados e rígidos, para si mesmo.

O persistente foco na perfeição pode gradualmente reduzir a espontaneidade, e prejudicar o bem-estar e autoestima de uma pessoa. Sabia que o perfeccionismo tem impactos nos vários contextos da vida de uma pessoa?

Se está interessado em saber mais sobre o que é ser perfeccionista, as suas consequências, e como se libertar disso, continue a ler o artigo.

1. O que nos leva a querer o perfeccionismo em tudo?

Desde que iniciamos a nossa vida social que vamos descobrindo o perfeccionismo. Em casa, quem costuma ser elogiado? Na escola, quais são os alunos que a professora mais valoriza? No grupo de amigos, quem são os mais admirados?

O que vamos aprendendo nestas interações é que quem costuma ser elogiado e admirado são aqueles que fazem tudo perfeito, ou pelo menos é o que parece. Nalguns casos, o perfeccionismo começa muito cedo. Podendo, encontrar a sua origem nos mais variados contextos.

Afinal, no contexto social em que vivemos, todos os dias estamos sujeitos a novas pressões!

→ Será que pressão que aumenta necessidade de perfeição?

Somos diariamente assediados por pressões externas, numa sociedade onde padrões de sucesso definidos são praticamente inatingíveis para a maioria das pessoas. Desde a inteligência de um sobredotado, a fortuna do jogador X, o sucesso do Dr. Y, a fama da estrela Z, a beleza da modelo H, à suposta vida extravagante de um conhecido, tudo é motivo estabelecer um padrão ideal.

Alguns de nós, de tal forma influenciados pelas comparações entre si e o outro, acabam por alimentar sentimentos de insuficiência. Desta forma, deixando de conseguir distinguir se as necessidades que sentem são autenticamente suas (nascem do seu íntimo). Ou, vêm do exterior (efluem de fora para dentro).

Assim, algumas pessoas exigem de si mesmas, padrões inalcançáveis. Ou, acabam por assumir como seus, os objetivos desenhados pelos sonhos de outros procurando responder à expectativa do meio onde vivem. E, quando perseguimos neste caminho, acabamos a desvalorizar as nossas próprias qualidades e potencialidades, deixando para trás a nossa essência pessoal.

Este é talvez um percurso irracional que, afasta a pessoa de si mesma, e a leva para o sentimento de insuficiência. É impossível competir com um modelo idealizado e perfeito, que provavelmente nem existe. Então, para quê fazê-lo?

Banda desenhada de Shultz onde o charlie brown quer ser perfeito.

2. O que é o perfeccionismo?

O perfeccionismo é um tipo de comportamento que se caracteriza pelo desejo de realizar todas as tarefas de modo perfeito. Não pode haver lugar para erros ou resultados menos satisfatórios. Porque, o perfeccionista normalmente cobra um alto padrão a si mesmo.

A pessoa perfeccionista tende a ter uma atenção seletiva aos erros. Por outras palavras, tende a focar-se apenas no que está errado, ao invés de olhar aos aspetos positivos. Por essa razão, é que se dedica a corrigir constantemente os pequenos detalhes que vai identificando como “mal feito”.

O perfeccionista quer que tudo que ele faz seja perfeito. Isso inclui, o seu trabalho, os exames, as ações, a vida pessoal,… tudo! A pessoa perfeccionista tem a convicção de que a perfeição é um único caminho para que os outros a aceitem, e para poder aceitar-se a si mesma.

3. O sentimento de insuficiência do perfeccionista

Os sentimentos de insuficiência e insatisfação do perfeccionista fazem com que a nossa atenção se foque apenas naquilo que está em falta ou que é negativo: “preciso de ser de outra forma”, “preciso de ter o mesmo que os outros”, “preciso fazer como os outros dizem”, “tenho de ser bom aluno”, “tenho de ter solução para tudo”, “tenho de…”, “preciso de…”.

Esta sensação de insuficiência conduz, com frequência, a uma comparação com as outras pessoas, ou com um ideal de perfeição: com que o outro parece ser, com o que o é suposto ter, com o que o outro parece fazer melhor.

Perseguindo neste pensamento, talvez não estejamos a respeitar as próprias necessidades interiores, talvez nem estejamos a ouvi-las. E essa desconexão interior tende a degradar o bem-estar!

4. Consequências do perfeccionismo

O perfeccionismo pode fazer uma pessoa atingir objetivos rapidamente e aperfeiçoar algumas habilidades. Por outro lado, existem aspetos negativos a ter em conta. Muitas vezes, a autocrítica rigorosa, coloca a pessoa para baixo e dá origem a sentimentos negativos. Porque, o perfeccionista nunca se satisfaz com seu próprio desempenho.

O excesso de perfeccionismo pode impactar negativamente em diversas áreas da vida, sabias? No trabalho, no relacionamento com os outros, nos resultados que se obtém, etc. A necessidade de alcançar a perfeição em todas as situações pode deteriorar progressivamente o bem-estar e ter consequências negativas.

 

→ Pessimismo

O perfeccionista coloca a fasquia muito alta, e não reconhece as próprias conquistas. Por isso, a sua perspectiva de alcançar os objetivos tende a ser pessimista. Além disso, o perfeccionismo, e o pessimismo que se associa, impede a pessoa de aproveitar o momento. Pois, o seu nível de exigência causa uma tensão excessiva.

 

→ Inflexibilidade

A tensão que sente, e o querer que tudo seja perfeito tende a tornar o perfeccionista numa pessoa inflexível e muito pouco espontâneaEsta característica pode acabar por prejudicar os seus relacionamentos pessoais e profissionais.

 

→ Perda de autoconfiança

A falta de autoconfiança é uma consequência natural do pessimismo. A pessoa perfeccionista mina a confiança em si mesma, cada vez que pensa que o que faz não é suficientemente bom. A percepção de autoeficácia do perfeccionista é afetada, quando este acredita que não vai estar a altura das expectativas e do seu elevado padrão.

 

→ Culpa

Este sentimento surge porque o perfeccionista não sente que o que faz é bom o suficiente. Uma pessoa perfeccionista, sente que não alcança os seus objetivos na plenitude. Por isso, a autorrecriminação, e a culpa são recorrentes, uma vez que os padrões elevados da sua expectativa nunca são atingidos.

 

→ Baixa Autoestima

Como nunca estão satisfeitos com suas realizações, a percepção de insuficiência e de fracasso pode levar ao desenvolvimento de baixa autoestima. Ou seja, a uma apreciação negativa do seu próprio valor pessoal.

 

→ Ansiedade e depressão

A tensão e a insatisfação do perfeccionista, em alguns casos, podem levá-lo a experimentar estados de ansiedade relevantes e a ficar deprimido.

5. O que procuras no teu dia a dia? A perfeição ou a autenticidade?

 

Todos os dias somos tentados por potenciais novas necessidades e exigências externas. Por isso, é importante que, possamos cultivar o nosso bem-estar interior ao longo da vida e viver com mais espontaneidade.

Carimbo de Autêntico e de Perfeito. O que é o perfeccionismo?

Deixa-me colocar-te algumas questões, para que possas refletir sobre o tema.

 

Relacionas-te bem com o que sentes e a forma como estás, em cada dia?

→ Aceitas-te a ti mesmo tal como és? Com pontos fortes e vulnerabilidades? Acreditas que fazes o melhor que podes, e sabes, em cada momento?

Costumas preocupar-te com todos os pequenos pormenores?

Tens medo de falhar? Como é que lidas com os erros?

→ Concordas que nada está suficientemente bem até se atingir a perfeição? O que sentes quando algo não corre tão bem como desejavas?

→ Faz sentido para ti dizeres que buscas o perfeccionismo?

→ Perfeito ou Autêntico? O que pretendes alcançar no teu dia-a-dia? A perfeição ou a autenticidade?

Serás um Perfeccionista?

Acreditas que o melhor não chega? Que o bom é inimigo do ótimo? Gastas a tua energia na busca de uma perfeição que parece nunca chegar, ou estar à altura da ocasião?

Se sentes que podes estar demasiado preocupado com a perfeição, talvez isso queira dizer que podes estar a construir armaduras em torno das tuas fragilidades. Mantém a serenidade, talvez só precises de te libertar de parte da necessidade de controlo.

É importante estarmos atentos, e alimentar a autoestima, para podermos viver as nossas próprias vidas com mais conexão interior. Isso inclui, praticar mais compaixão por nós mesmos. Desse modo, poderemos aceder a mais inspiração, e colocar mais paixão nas nossas ações.

A grande riqueza dos seres humanos reside na sua diversidade! O normal e saudável é sermos todos diferentes uns dos outros.

Perfeccionismo? Há pormenores que não acrescentam valor aos 100%. Liberta-te do perfeccionismo

6. A imperfeição é um estado natural

Quando nos comparamos com outras pessoas, é natural encontrarmos nelas algumas características fantásticas. Talvez não coincidam exatamente com as nossas. Porém, é também normal que o inverso aconteça.

Lembra-te que, também possuiu qualidades que outras pessoas podem não ter. Aprende a valorizá-las! É isso que faz de nós seres tão especiais e únicos!

Cada pessoa é única – tu és único! Sabendo disso, talvez não faça muito sentido que o nosso valor, ou a nossa evolução pessoal, se baseie na comparação com o outro. Ou, por exemplo esteja dependente de um resultado, ou de uma tarefa.

É importante que saibas, e que te lembres que, a perfeição é apenas um ideal construído, abstrato e subjetivo. Não existe, aqui, no mundo real! Por isso, talvez queiras compreender agora, a um nível mais profundo, que não precisas de te esforçar para alcançar uma imagem de perfeição pré-concebida, ou inatingível.

O que é importante é que possas interiorizar que a perfeição está presente em cada um de nós. Cada um de nós é perfeito na sua própria imperfeição.  Perfeito é seres capaz de aceitar as tuas imperfeições! Liberta-te e vive com mais espontaneidade!

7. Liberta-te e Vive com mais autenticidade

Repara que nem na Natureza tudo é perfeito! E que, é isso que a faz tão autêntica, extraordinária e aparentemente Perfeita. Há pormenores que não acrescentam valor aos 100%.

Errar é humano, é algo natural que, não faz de alguém incompetente, falhado, ou sem mérito. Não é porque somos imperfeitos, que deixamos de merecer a admiração e o amor dos outros. Falhar é apenas descobrir formas de fazer que não resultam.

É Isso que nos dá a possibilidade de descobrirmos novas oportunidades, e de fazer diferente na próxima vez. Chama-se evoluir com mais flexibilidade. Haveria evolução se o ponto de partida fosse a perfeição?

O perfeccionismo é apenas a tua voz interior a duvidar das tuas capacidades, ou à procura das tuas falhas. O perfeccionismo talvez seja o carcereiro que te pode roubar a liberdade, e minar-te a criatividade. O que é mais importante? O que os outros veem, ou a forma como te sentes?

Talvez este seja o momento de dar mais atenção a uma outra voz dentro de ti. Ou seja, àquela voz amiga que te pode ajudar a lembrar das tuas capacidades e do que já conquistaste. É essa representação positiva que te vai dar uma maior sensação de realização e autenticidade.

8. Ouve a voz que te diz que és humano

Escuta a voz que te diz que és humano. Os humanos riem, choram, cometem erros, aprendem e também fazem coisas extraordinárias e imperfeitas. Isso é viver!

É importante que percebas que cada um de nós é diferente do outro. E que, por isso, é único e especial. Quando te sentes autêntico estás a conectar-te com as tuas verdadeiras intenções, com a tua essência, com a possibilidade de te sentires mais livre e criativo.

Procura a viver com ainda mais espontaneidade. Alguma coisa me diz, que tentando fazê-lo vais descobrir que, aceitando as tuas vulnerabilidades, podes expandir a tua força. Podes começar a treinar agora mais abertura e flexibilidade, e parar de te PRÉ-OCUPAR com aquilo que não consegues controlar.

Dá o teu melhor em cada momento, mas aceita que cada situação será o que tiver de ser. Talvez seja o momento de perceber que, nem tudo é uma responsabilidade tua. Dessa maneira, vais poder conquistar o poder pessoal da congruência e do bem-estar interior.

A vida é um caminho que pode ter metas. Mas, as metas e os objetivos não são a vida. Por isso, aprender a explorar e aproveitar o caminho é viver.

No final, o que importa é sentirmo-nos bem connosco mesmos e aprendermos a estar felizes, independentemente dos resultados. A vida é encontrar a forma de estarmos bem, não de estarmos perfeitos! Afinal, cada um de nós já é perfeito na sua imperfeição!

O que vais fazer agora para expandir a tua criatividade e aproveitar o caminho?

A Autora

Té MonteiroTé Monteiro
A minha intenção é inspirar pessoas a descobrirem o Happy Flow das suas vidas!

Artigos Recente

® Marca Registada

Happy Flow é uma marca registada ®. Todas as publicações são da autoria de Té Monteiro. Quando assim não é, damos os devidos créditos ao autor. Obrigado por apoiar o nosso trabalho.

Artigos Relacionados

Comentários

0 Comentários

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Subscrever a Newsletter

Pin It on Pinterest