Se está aqui é porque já ouviu falar de objetivos SMART. Talvez só não saiba exatamente como os definir, e obter uma maior possibilidade de os alcançar. Um bom objetivo tende a ser mais sedutor!

Sabia que o potencial de um objetivo é largamente suportado pela estrutura que é, ou não, capaz de nos fornecer? O modelo de objetivos SMART garante uma estrutura adequada à definição de metas, dotando-as de um alto potencial de transformação e de concretização.

Há pessoas que definem demasiados objetivos ao mesmo tempo. Há quem tenha dificuldade em estabelecer prioridades. Algumas pessoas preferem nem sequer definir objetivos para poderem continuar a adiar as suas decisões. E também há quem não consiga, ou não saiba de todo, definir objetivos.

Talvez já tenha sentido que, por vezes, se esforça e não consegue alcançar os resultados que deseja. Talvez esteja a ver pouca evolução na sua vida pessoal, ou nas suas realizações profissionais. Também é provável que, por vezes, sinta que até nem sabe muito bem aonde especificamente quer chegar (Conhecer 6 pressupostos da definição de objetivos).  Por isso, explorando o método de objetivos SMART, pode tornar os seus objetivos alcançáveis.

Objetivos são programas mentais que nos ajudam a focalizar e a direcionar para aquilo que queremos alcançar. O método SMART é uma forma de clarificar ideias, concentrar esforços, gerir melhor o tempo e aproveitar os recursos de uma forma mais produtiva. E, dessa forma, aumentar as possibilidades de se alcançar o que mais se deseja na vida.

 

Como definir Objetivos SMART?

O método SMART (do inglês Specific, Measurable, Attainable, Relevant, Time Bound) é uma ferramenta muito utilizada para definir, planear e atingir objetivos: Específicos, Mensuráveis, Atingíveis, Relevantes e Temporais.
Na definição de objetivos, para que um objetivo seja suficientemente atraente, poderoso e mobilizador é importante que possua as 5 características dos objetivos SMART.

 

1. Específico (simples, claro)

Um objetivo claro ajuda a dirigir o nosso foco, a conduzir os nossos pensamentos e as nossas ações na direção pretendida. Por isso, um objetivo deve ser algo simples e único, específico, preciso, conciso e sem qualquer espécie de ambiguidade.

Para dar alguma estrutura aos nossos objetivos é importante que possamos responder às questões: O quê? Quem? Onde? Porquê? Assim, podemos começar por fazer algumas perguntas que possam tornar o nosso objetivo mais específico:

  • O quê especificamente vou fazer?
  • Quem vai estar envolvido?
  • Com quem posso contar?
  • Onde será desenvolvido?
  • Que recursos serão necessários?
  • Quais as limitações a considerar?

 

2. Mensurável (passível de ser medido):

Acompanhar de forma adequada o progresso de um objetivo é determinante para nos mantermos motivados ao longo do caminho. Avaliar os nossos progressos ajuda-nos a manter o foco nas tarefas, a cumprir os prazos e, ao mesmo tempo, a sentir as emoções à medida que nos vamos aproximando da meta.

Para podermos saber se nos estamos, ou não, a aproximar-nos do alvo, é importante que o objetivo seja algo que se possa medir, quantificar, dimensionar. Assim uma meta mensurável deve permitir responder a questões como:

  • Como sei se me estou a aproximar da meta?
  • Como saberei que o objetivo está realizado?
  • Quanto? Ou quantos?

 

3. Atingível (credível, alcançável, realista):

É importante algo que se acredita que é atingível, que vamos conseguir alcançar, ou seja, um objetivo é algo que acreditamos que é possível de atingir. Ou seja, é importante perceber se é possível chegar aonde se quer chegar.

Para que um objetivo seja possível de alcançar, este deve depender de nós mesmos, das nossas habilidades e daquilo que somos capazes de fazer para o alcançar. Quer isto dizer que, a realização dos nossos objetivos não deve depender de outras pessoas. Afinal, não podemos controlar o que os outros fazem, nem as suas escolhas.

Um objetivo realista e alcançável é algo que, acreditamos que pode ser alcançado e cujo sucesso é uma possibilidade. E, geralmente responde a perguntas como:

  • Como posso alcançar este objetivo?
  • Quais os recursos que vou precisar? Como os posso arranjar?
  • Atendendo às limitações, quão realista é o meu objetivo?

Desta forma vai poder identificar que oportunidades existem, que recursos e habilidades tem que ainda não se tinha lembrado e, por isso, não estava a considerar.

 

4. Relevante (significativo, Importante):

Nesta etapa é importante garantir que o objetivo que escolhemos é de facto importante para nós. Ou seja, que o seu benefício é significativo, relevante e motivador.
É também necessário perceber se é congruente e ecológico para nós. Isto é, se está alinhado com outras metas da nossa vida e os nossos valores. Ou, se em vez disso, pode comprometer a realização de outros planos. Afinal, as emoções são o motor das nossas ações e, por esse motivo, há que alimentar emoções positivas.

Por isso, é importante que consiga obter uma resposta honesta a algumas perguntas, como por exemplo:

  • Vale mesmo a pena?
  • O que perco para concretizar este objetivo?
  • Qual o preço a pagar?
  • O que ganho com isso?
  • Será este o momento certo para fazer isto?
  • Estou preparado?

 

5. Temporal (definido no tempo, limitado no tempo, com um prazo):

O objetivo deve ser limitado no tempo, ou seja, ter um prazo para a sua concretização. Pois, de outro modo, não terá fim e não poderá ser controlado “um dia vou fazer, mas não sei bem quando”.
Para nos podermos concentrar e trabalharmos na concretização de um objetivo, cada meta precisa de uma data limite. Este critério dos objetivos SMART ajuda a priorizar as tarefas, de forma a que cada tarefa tenha um prazo limite. Ou seja, de modo a garantir que as tarefas diárias e de curto prazo, tenham prioridade sobre as tarefas de longo prazo.

Uma meta com prazo determinado costuma responder a estas perguntas:

  • Quando?
  • Quanto tempo?
  • Quais as tarefas de hoje?
  • O que posso fazer na próxima semana?
  • E daqui a três meses?
  • Quando alcançarei o meu objetivo?

 

Objetivos SMART, conheça as suas cinco características: especificos, mensuráveis, atingíveis, relevantes e temporais.

 

Conclusões à cerca dos objetivos  SMART

O método SMART pode ajudar tanto na definição de objetivos pessoais, como quando se trata de definir metas e objetivos em empresas. Existem os mais variados exemplos da sua aplicação na vida quotidiana.

Talvez sonhe fazer uma grande viagem, talvez deseje mudar alguns aspetos da sua vida, talvez queira dar um novo rumo ao seu negócio (aumentar vendas ou o número de clientes, melhorar os leads nas redes sociais,…). A minha sugestão é que use os objetivos SMART para tornar os seus desejos vagos em metas aliciantes e alcançáveis. Vai ver como definir objetivos estruturados o pode ajudar a concretizá-los.

É importante que se lembre do seguinte:

  • Manter a flexibilidade quando se trata de atingir metas e objetivos é determinante.
  • Pode ser preciso, a meio do percurso, avaliar e rever o objetivo inicial.
  • Por vezes, as metas e os objetivos precisam de ser reformulados ou revistos, se o feedback que estamos a obter não é o desejado. Ou, se as ações que planeámos não estão a produzir o efeito esperado. É mesmo assim.
  • Fique atento aos indicadores, procure focar-se nas possibilidades, porque a motivação é o alimento das nossas ações.
  • Ás vezes é necessário parar, observar, aprender e seguir adiante até chegar à meta traçada.

Esta é uma ferramenta que o pode ajudar a explorar as suas habilidades e os seus recursos para alcançar aquilo que o faz feliz. Boa Sorte!

 

Esta publicação faz parte de uma secção de artigos sobre objetivos. Se ficou interessado, leia também:

 

Texto e Imagem | Té Monteiro

Happy Flow Logo

Newsletter!

Registe-se agora e receba inspiração, dicas e as novidades Happy Flow na sua caixa do correio.

Recebemos o seu pedido de registo. Confirme, por favor, a subscrição no e-mail que lhe enviamos.

Pin It on Pinterest

Share This